quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Boas lembranças de 2015!


Já que o ano está acabando, é sempre bom fazer uma retrospectiva de 2015. É certo que estive em muitos bares durante o ano. Também é certo que tive ótimas companhias e tivemos maravilhosos papos que merecem se repetir e se renovar no ano que vem. Sendo assim, ficam neste post algumas lembranças de 2015, e o meu desejo de que 2016 seja tão bom ou melhor de bar.


Nem a lanchonete do Aeroporto
de Florianópolis escapou neste ano!

Meu amigo Beto me apresentou cervejas artesanais
na Água Benta Lupulada, na Augusta, uma loja onde se
pode consumir as cervejas como se fosse um bar.


 
Bar do Apolo, na Santa Cecília, o queridinho do ano, com a Heineken
mais barata da área, coxinha e bolinho de bacalhau maravilhosos.




Associação de Mães de La Boca, em Buenos Aires. Ótimo
preço de parrillada e cerveja, e o churrasqueiro animado (atrás).


Bar da Tia Maria, meio venda e meio bar, em
Florianópolis, onde comemorei a titulação do mestrado.

El Boliche de Roberto, em Buenos Aires,
indicado pela Giane. Cerveja e tango de bamba.

Teve reencontro do povo de Itajaí na
Cachaçaria do Rancho, no Centro, em São Paulo.


Vai bem cerveja em época de seca em Brasília, no Chaminé.

Cervejinha de dia de semana, em férias,
na choperia da Barão, nos Campos Elíseos.

E olha o reencontro com a costela de
porco frita do Demorô, na Vila Mariana.

Jogamos sinuca e bebemos o chopp
artesanal do Dona Mathilde, na Pompéia.

Comemoramos aniversários, fomos em lançamento
de CD e rodas de samba e choro no ECLA, no Centro.

Descobrimos o Bar Escondidinho lá em Embu-Guaçu.

 
Bebemos cerveja com comida
japonesa numa boa, no Kony, nos Campos Elíseos.


Revivemos a amizade no Famoso Bar do Justo, em Santana.

Conheci La Dignidad, um bar cooperativa em Buenos Aires.

No bar mexicano La Misión, na Barra Funda,
bebemos as micheladas.

Passeamos na Feira de Mataderos, em Buenos
Aires, e matamos a sede em La Taba.

Voltei aos velhos tempos de fumar dentro do
bar no L'Avenue, em Tunis, na Tunísia.

Posei de rica mas continuei pobre no
Le Dôme, café próximo à Torre Eiffel, em Paris.

Fui apresentada à sidra francesa (de verdade
e boa) no Le Fournil, em Paris.


Reencontrei grandes amizades em Brasília, no Libanus.

Conheci os deliciosos quitutes do Bar
do Luiz Fernandes, no Mandaqui.


Curtimos samba em plena segunda-feira,
no Maracangalha, no Bom Retiro.

Corri pra fazer passaporte em Santos, e parei
pra refrescar a garganta no Restaurante Mauá.

Completamos a noite de reencontro no
Bar do Nildo, na Barra Funda.



A Patrícia me lembro do Open Bar na Skol House Party,
com direito a casamento lesbo-poligâmigo
celebrado pelo padre bêbado de Vegas.

 
Curti cada cerveja gelada nos passeios
de férias em São Paulo mesmo, na Marechal.


Tivemos momentos de ser bem tratados no
Palace de Pobre, nos Campos Elíseos.


Aproveitei uma brecha na correria para beber umas geladas
no Caravelas e rever um grande amigo em São Vicente.

Conheci o blogueiro etílico Hélio Mendes e, claro,
fomos beber umas cervejas no Salada Record, no Centro.


Passamos no Valadares, na Lapa, e comemos a costelinha
de porco antes de ir pro show do Mundo Livre.

Isso aí é o que eu tenho registrado aqui, né, gente. Se você tem mais alguma coisa aí, manda pra mim que eu vou incluindo na retrospectiva, tá bom?

Desejo tudo de bom pra vocês e que em 2016 possamos nos encontrar e passar bons momentos juntos... no bar, é claro!

2016 pode vir fervendo que nóis joga cerveja nele!

 


7 comentários:

  1. Lê... e o Open Bar da Skol???? ;)

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. Vou sim em 2016! Vamos aos bares aí da ZN!

      Excluir
  3. Quem gosta gosta! Em Tunis fumamos e ficamos defumado...só não lembro o nome da cerveja...veja naquele copo e mé avise....kkkk

    ResponderExcluir

Muito agradecida!